Main Menu

Garganta Inflamada
Garganta Inflamada PDF Imprimir E-mail

Faringite

É uma inflamação da faringe (área da garganta que está situada entre as amígdalas e a laringe). A doença pode tanto ser o primeiro sintoma de um simples resfriado quanto de um problema mais grave, como uma virose chamada mononucleose, muito comum em crianças.
 
Pode ocorrer em infecções virais (resfriado comum, gripe e mononucleose infecciosa) e em infecções bacterianas (faringite estreptocócica) e por doenças sexualmente transmissíveis (blenorragia, gonorréia, etc).
Os sintomas, que incluem a dor de garganta e a dor à deglutição, são semelhantes tanto na viral quanto na bacteriana. Em ambas, a membrana mucosa que reveste a faringe pode estar discreta ou intensamente inflamada e recoberta por uma membrana esbranquiçada ou uma secreção purulenta. A febre, o aumento dos linfonodos do pescoço e o aumento da contagem de leucócitos no sangue caracterizam tanto a viral quanto a bacteriana, mas podem ser mais pronunciados na forma bacteriana. Esta afecção frequentemente se estende também às amígdalas (tonsilas), denominando-se faringotonsilite.
A porta de entrada é a oral, pela saliva que as pessoas expelem ao falar, tossir, espirrar ou num beijo. A faringotonsilite é uma das infecções mais comuns em crianças entre os 4 e os 15 anos de idade, sobretudo nos primeiros anos escolares.
Usualmente, não há secreção purulenta na garganta, febre baixa ou ausência de febre, contagem de leucócitos normal ou discretamente elevada, linfonodos normais ou discretamente aumentados, exame do swab da garganta negativo, ausência de crescimento de bactérias na cultura laboratorial.
Secreção purulenta na garganta muito comum, febre até 40º C, cotando com cefaléia aguda ou dispnéia, contagem de leucócitos no sangue discreta a moderadamente elevada,linfonodos discretamente a moderadamente aumentados, exame do swab da garganta positivo para a faringite estreptocócica, crescimento bacteriano na cultura laboratorial.
 
Os sintomas caraterísticos da Faringite são:
Irritação na garganta;
Febre;
Pus na garganta; (na bacteriana)
Dor de ouvido;
Dificuldade para engolir;
Presença de catarro amarelado, na garganta e nas vias respiratórias.
Alguns casos também envolvem vômitos e dor de cabeça.
 
Qual o tratamento
Os analgésicos comuns, as pastilhas para a garganta ou o gargarejo com água morna e sal podem aliviar o desconforto da garganta, mas a aspirina não deve ser utilizada em crianças e adolescentes com menos de 18 anos devido ao risco da Síndrome de Reye. Os antibióticos não são úteis quando a infecção é viral, mas podem ser prescritos quando o médico suspeita fortemente que a infecção é de origem bacteriana. Caso contrário, nenhum antibiótico é administrado até os exames laboratoriais confirmarem um diagnóstico de faringite bacteriana. Quando os exames indicam que a faringite é causada por uma infecção estreptocócica (faringite estreptocócica), o médico prescreve a penicilina, normalmente sob a forma de comprimidos, para erradicar a infecção e prevenir complicações como a moléstia reumática (febre reumática). Os indivíduos alérgicos à penicilina devem utilizar a eritromicina ou um outro antibiótico.
Pode ocorrer associada a uma sinusite e portanto ambas devem ser tratadas simultaneamente para ser eficaz. Assim como na sinusite, a congestão nasal e a dor de cabeça podem ser parcialmente aliviadas ao limpar o nariz com uma solução salina (água com uma pitada de sal), vendidos em diversos formatos
 
 
 

Amigdalite

Tonsilite (popularmente conhecida como amigdalite) é uma inflamação nas tonsilas palatinas (popularmente chamadas de amígdalas), que pode ter diversas origens, como uma infecção por estreptococos ou uma infecção viral.
Quando bacteriana (ou seja: causada por bactérias), poderá haver uma inflamação das tonsilas e a formação de placas de pus nas mesmas.
Existem 3 tipos principais de tonsilites: aguda, subaguda e crônica. A tonsilite aguda pode ser de origem tanto bacteriana quanto viral (mais comum, 75%). A tonsilite subaguda (que pode durar entre 3 semanas e 3 meses) é causada pela bactéria Actinomyces. A tonsilite crônica, que pode durar por longos períodos se não tratada, é quase sempre bacteriana.
Um abscesso pode se desenvolver lateralmente à tonsila durante uma infecção, tipicamente diversos dias após o início da tonsilite. Isto é chamado de abscesso peritonsilar.
Raramente a infecção pode se espalhar além da tonsila resultando em inflamação e infecção da veia jugular interna, dando origem a uma infecção septicêmica que se espalha (síndrome de Lemierre).
Em casos crônicos/recidivantes (geralmente definidos como sete episódios de tonsilites no ano anterior, cinco episódios em cada um dos dois anos anterior ou três episódios em cada um dos três anos anteriores), ou em casos agudos onde as tonsilas palatinas se tornaram tão inchadas que a deglutição foi prejudicada, uma tonsilectomia pode ser realizada para remover as tonsilas. Pacientes cujas tonsilas foram removidas certamente ainda estarão protegidos de infecções pelo resto de seu sistema imune.
Bactérias se alimentando do muco que se acumula nos espaços das tonsilas (criptas) podem produzir depósitos amarelo-esbranquiçados conhecidos como tonsilólitos. Isso pode causar uma emissão de um odor devido a presença de compostos sulfúricos voláteis.
A hipertrofia das tonsilas pode resultar em roncos, respiração oral, problemas no sono e apnéia do sono obstrutiva, na qual o paciente para de respirar e apresenta uma queda na concentração de oxigênio na corrente sanguínea. Uma tonsilectomia pode curar estes problemas.
Em casos muito raros, doenças como febre reumática ou glomerulonefrite podem ocorrer. Estas complicações são extremamente raras em países desenvolvidos mas ainda continuam sendo um problema em países pobres.
 
Os sintomas caraterísticos da Amigdalite são:
Dor de garganta
Dores difusas pelo corpo
Dor na nuca
Febre
Cansaço
Falta de apetite
Dificuldade de respirar
Dor de cabeça
O diagnóstico mais comum é observar a dilatação das amígdalas, estudar o histórico familiar e verificar a temperatura com um termômetro.
 
Qual o Tratamento
A tonsilite bacteriana é tratada mais comumente com antibióticos como a amoxicilina.
A tonsilite viral (ou seja: causada por vírus) não requer tratamento. Apenas o tratamento sintomático basta, tendo em vista que a tonsilite viral possui um ciclo natural, de modo que a cura ocorre em poucos dias
 
ATENÇÃO: Caso tenha algum sintoma consulte um profissional de saúde, este site não é nenhum consultório médico ou farmácia.
As informações aqui contidas apenas servem para informação e não aconselhamento médico.
Fonte: ''Wikipédia''